segunda-feira, 22 de maio de 2017

0 º

. estou debaixo do marco 
zero com a graça do bom deus
acho que esqueci meu nome
acho que esqueci o nome 
de deus o diabo
essas coisas de fé foram pra mim
na época que as ruas andavam cheias
de polícia mas agora não 
tem mais polícia e eu não sei
o que faço com nenhum crime 
esse coração na mão na boca 
do povo na boca principalmente
de muitas mulheres da américa, meu amor
todo meu desengano minha palavra
segue feito: lâmina ou: domadora
de leões, cadeira na mão chicote na 
outra olho no olho da fera cá estou 
bem debaixo do marco zero
com o consentimento da física
a palavra é o próprio estúpido
buraco de minhoca encurta
aumenta distância tempo e espaço aqui tudo 
já é e já era. há eras e eras está provado
me encontro debaixo deste marco zero
por mil poemas e a força de muitos desertos 
vestígios de areia por todo lado, é claro
calor, frio, whatever
embora pareça toda toda nos retratos
embora no alto uma grande placa um letreiro 
antes com frases de 
apelo agora marca exatamente impressionantes 0º
não tem palavra, cortei tudo
na garganta um corte de ponta a ponta
eu não sei o que tenho na cabeça eu 
não tenho mais cabeça eu
levo 
a cabeça suspensa no alto leio debaixo 
do marco zero a próxima tarefa:
se lembre de seu nome pra depois
abandonar, a última coisa que resta

Nenhum comentário:

Postar um comentário