domingo, 14 de junho de 2015

SMELLS LIKE TEEN SPIRIT

Hoje eu consegui pensar no mundo todo. Pensei no que Juca e Silas disseram sobre estar sempre a postos e também sobre a relação do uso do rock e a cura de alguns males, basta esperar a distorção de guitarras e voilà, a barulheira desgraçada já seria meditação pros ouvidos. Pensei que faz só algumas horas que o planeta Mercúrio parou de descansar e isso sem dúvida deve significar coisa boa: por enquanto a flecha da palavra segue em frente, a comunicação continuará impossível até o fim dos dias mas pelo menos acho que já posso parar de colar as cortinas com fita crepe à noite antes de dormir. Pensei que afinal de contas foi preciso que um planeta tão pequeno ardesse no Sol da praia queimando as costas por aproximadamente vinte dias consecutivos para que eu descobrisse no reflexo da areia que a alegria não caminha em linha reta enquanto o desejo, esse sim é um soldadinho de chumbo a marchar enquanto durar a munição e os gritos de guerra. Se prestar bastante atenção ainda dá pra escutar o tempo da palavra voltando pro eixo e desrebobinando a fita, escutar o som dos ponteiros antes fixados nos números 17 e 16 voltando à trajetória horária e o som da espada passando bem rente ao meu pescoço no dia da iniciação à magia ou o que chamam de elevação da consciência. Coisas do meu melhor amigo, que, parado em frente à roda gigante do parque, tentou me ensinar de uma vez por todas que o grande truque é que tudo passa, uma hora vai ficar tudo bem, outra hora nem tanto, sobre a hora seguinte não se sabe muito, só que o que permanece fixo mesmo é a roda. Hoje eu disse a ele que tinha entendido e finalmente descoberto a roda porque dei a volta ao mundo com o pensamento e ele respondeu calma, minha criança, também não é pra tanto, acho que você não entendeu nada. Melhor voltarmos ao Nirvana.





Nenhum comentário:

Postar um comentário