sexta-feira, 6 de março de 2015

Minha nossa senhora,
já foram tantos aniversários assim?
Fiquei um pouco assustada porque é inegável
que ainda conserva a beleza de outros tempos,
tanto que chego a ficar na dúvida sobre qual ferramenta 
ou marco no tempo se usa
pra contar seu nascimento.

Começo a contagem
no dia em que saí da minha casa
em busca de horizontes desconhecidos
e atravessei enormes distâncias
pra chegar até o mar.
Naquela época eu ainda não sabia
que a distância que um homem vive do mar
era um grande divisor de águas por aquelas terras
e que esse seria um traço seu
que também se conservaria até hoje.
Eu fiquei cansada da longa viagem,
mas realmente pisar naquelas areias pela primeira vez
foi uma experiência e tanto,
apesar do calor desgraçado que fazia.
Papai disse que aquele paraíso
se chamava praia da Urca
e que não era bem o mar mesmo,
mas era parecido.
Pra mim, que nunca tinha visto o mar,
parecia igualzinho ao da foto,
era tudo lindo e maravilhoso,
dois morros com marzão sim senhor
e areia no meio ainda por cima,
era tudo grande pra caramba.
Só chegou a dar um pouco de medo
quando papai explicou sobre a linha do horizonte
e que ela nunca tinha fim.
Mesmo assim eu aproveitei bem até dizer chega,
quer dizer,
quando papai disse chega.
Eu ainda aguentaria mais um tempão de praia,
com toda certeza do mundo,
mas parecia que era hora de ir embora.
Aí eu, toda emburrada,
estufei o peito e disse a ele,
na tentativa de demonstrar minha insatisfação:
“não acredito que já tá na hora da gente voltar pro Rio!”.
Ele riu e eu não entendi foi nada.
Aí ele disse que nossa casa também era no Rio,
só ficava longe do mar.
Só te dei por nascido a partir desse dia.
Acho que você já existia,
mas pra mim você só nasceu
quando eu achei que eu tivesse ido embora pra longe.
Ele me explicou sobre zonas norte, sul, leste e oeste,
seus reis e as batalhas que travavam desde aquele tempo.
Disse que vivíamos no norte
e que nosso povo tinha muita memória, disse que a gente morava
no seu pedaço mais feio.
Enfim, desculpe pela nostalgia,
pela confusão toda com as datas
e feliz aniversário.
Te desejo anos infinitos
que nem a linha do horizonte.
Quero dizer que apesar da idade toda
você ainda é muito bonito.
Eu posso ainda não saber muito sobre tempo e distância
mas aqui ao norte,
ainda tenho o seu retrato que pra mim não tem nada de feio,
um retrato que tirei enquanto te olhava pela janela.

Um comentário:

  1. Gostoso demais esse! :DDDD

    É muito bom imaginar a ingenuidade da pouca idade e também o deslumbre das descobertas mais óbvias.

    E é claro, show também a homenagem!

    ResponderExcluir